21 de janeiro de 2015

Pausa na aventura, para o bem do Brasil

Não curto muito discutir política, pois vivemos em um país muito ruim nesse aspecto e as coisas erradas são de proporção tão grande que as opiniões se ramificam demais e gera-se um caos total. Mas acho, que pelo menos uma vez, devemos demonstrar o que pensamos do atual país em que vivemos, rodamos, descobrimos e conhecemos mais. Assim, reproduzo aqui, nem que seja para se ler daqui há alguns anos, trecho que postei no Facebook hoje.
----
Fico vendo, à todo momento, brasileiros reclamarem de políticos. Será que realmente temos esse direito? Os políticos que estão lá em cima são uma amostra retirada do povo aqui em baixo. Se usarmos teorias de aulas de estatística, eles nos representam; entenda-se aqui que representação, estatisticamente falando, não quer dizer "o ato de te defender", isso é coisa das aulas de Direito; representação aqui quer dizer que "eles são igual" ao todo. Isso mesmo, os políticos que estão lá, porque os colocamos lá, fazendo tudo o que achamos absurdo, são iguais a nós! Dentro das proporções, os brasileiros fazem as mesmas coisas que eles, quando surgem oportunidades, em proporção menor, mas só porque o universo é menor. O cidadão brasileiro comum também superfatura na empresa em que trabalha, faz compras ilegais, faz contrabando, rouba energia, rouba água, não devolve o troco, usa privilégios inexplicáveis para burlar leis de trânsito (vagas especiais, por exemplo), não pensa no próximo, esbanja em época de economia, comete delitos quando ninguém vê, ou na cara de pau mesmo. Somos iguais, aqui em baixo e lá em cima. Só podemos por defeito na casa do vizinho, depois que a nossa for exemplo de arrumação. Não acuse um político de trabalhar 6 dias e ganhar por 3 meses, se a oportunidade surgisse no seu emprego ou repartição e você fizesse a mesma coisa. Isso é cinismo. O brasileiro elege errado, e depois de três meses, quer tirar? Assim como o governo, o brasileiro quer soluções no lugar errado; tirar esses caras atuais não resolverá nada, nunca resolveu; tirou-se Collor, ministros, deputados, senadores, prefeitos e vereadores; prendeu-se alguns poucos também, e nunca houve mudanças para melhor; só houve dispêndio de energia em lugar errado. Desiludam-se de resultados benéficos e rápidos nos políticos atuais, com leis atuais, criadas por essa mesma "amostra representante" do "todo", e gastem vossa energia para lutas em pontos que resultem em mais resultado: exigência de melhor educação do brasileiro jovem; educados corretamente, eles vão resolver isso sozinhos daqui 30 anos. Eduque seu filho em casa, para ser cidadão também, mande-o para a escola e seja exigente lá. Infelizmente demora, demora sim, mas do jeito que estamos querendo fazer, já demorou 125 anos (desde a Proclamação da República) e não se resolveu ainda.